Textos & Artigos

Sexo, a gênese do amor

Amor.
O que é o amor?
Sentir amor é fácil, mas defini-lo é realmente difícil.
Se você perguntar ao peixe o que é o mar, ele dirá: " O mar é isto. O mar é tudo o que está ao meu redor. E pronto!" Mas se você insistir - "Por favor, defina o mar" - então o problema será realmente muito difícil.
Tudo o que há de mais belo e sutil na vida pode ser vivenciado, mas dificilmente definido, descrito.
A miséria do homem é esta: durante os últimos quatro a cinco mil anos, o homem tem apenas falado sobre algo que ele deveria estar vivendo intensamente, sobre algo que deveria estar sendo realizado em seu interior - o amor. tem havido grandes discursos sobre o amor, inúmeras músicas de amor têm sido cantadas e hinos devocionais continuamente são entoados em templos e igrejas. O que não é feito em nome do amor? - mesmo assim não existe lugar para o amor na vida do homem. Se pesquisarmos profundamente as linguagens do gênero humano, não encontraremos uma palavra mais falsa do que "amor".

Todas as religiões pregam o amor, mas o tipo de amor que é encontrado em todos os lugares, o tipo de amor que tem envolvido o homem como um infortúnio hereditário, tem conseguido apenas fechar todas as portas para o amor em sua vida. Entretanto, as massas veneram os líderes religiosos como criadores de amor. Eles têm falsificado o amor, têm bloqueado todas as correntes de amor. E, quanto a isto, não existe diferença básica entre o Ocidente e o Oriente, entre a Índia e a América.

A corrente do amor ainda não veio à superfície no homem. E atribuímos isto ao próprio homem. Dizemos que isto acontece porque o homem está deteriorado, e que é por causa disto que o amor não evoluiu, que é por causa disto que nenhuma corrente de amor existe em nossas vidas. E colocamos toda a culpa na mente; dizemos que é a mente que envenena. A mente não é veneno. Aqueles que degradam a mente são os que envenenaram o amor, os que não permitiram o crescimento do amor. Nada neste mundo é veneno. Não existe nada de ruim em toda a criação de Deus; tudo é um néctar. Foi o homem que transformou este copo cheio de néctar em veneno. E os maiores criminosos são os chamados professores, os homens sagrados e santos, os políticos.
Reflita sobre isto profundamente. Se essa doença não for compreendida imediatamente, se ela não for curada completamente, não haverá nenhuma possibilidade - agora ou no futuro - de amor na vida do homem. A ironia da coisa é que aceitamos cegamente as razões para tal estado, oferecidas justamente pelas mesmas fontes responsáveis pelo amor não estar despontando em primeiro lugar no horizonte humano. Se princípios enganadores são repetidos e reiterados por séculos, falhamos em ver as fraudes básicas que existem por trás dos conceitos originais. Então, o caos é criado, porque o homem é intrinsecamente incapaz de tornar-se o que essas regras desnaturais dizem que ele deve ser. Simplesmente aceitamos que o homem está errado.

Ouvi contar que, há muito tempo, um mascate de leques costumava passar todos os dias pelo palácio do rei, vangloriando-se dos maravilhosos e incomparáveis leques que vendia. Ele proclamava que ninguém nunca havia visto leques como aqueles.
O rei possuía uma coleção de leques de todos os tipos, de cada parte do mundo, por isso ficou muito curioso. Um dia, ele se inclinou sobre sua sacada para dar uma olhada nesse vendedor de leques únicos e maravilhosos. Para ele, os leques pareciam comuns, dificilmente valeriam um tostão, mas mesmo assim resolveu pedir ao homem para subir. O rei perguntou: "O que há de especial em seus leques? E qual o preço deles?"
O mascate respondeu: "Sua majestade, eles não custam muito. Considerando a qualidade que possuem, o preço é muito baixo: cem rúpias cada um".
O rei ficou intrigado: "Cem rúpias! esse tipo de leque pode ser encontrado em qualquer feira. E você pede cem rúpias! O que há de tão especial nesses leques?"
O mascate disse: "A qualidade! Cada leque tem a garantia de cem anos. Mesmo em cem anos ele não se desmantelará".
"Pela aparência, acho que não duram nem uma semana. Está querendo me trapacear? Isto é uma fraude. E está fazendo isso com o rei?"
O vendedor respondeu: "meu senhor, como poderia eu me atrever? O senhor bem sabe, Majestade, que passo diariamente em frente ao seu palácio, vendendo meus leques. O preço é de cem rúpias e sou o responsável, caso eles não durem cem anos. estarei à sua disposição na rua diariamente. E, além, do mais, é o senhor quem dita as leis neste país. Como eu poderia me safar se o enganasse?
O leque foi comprado pelo preço estipulado. Embora o rei não confiasse no mascate, estava morrendo de curiosidade para saber que motivos o homem tinha para fazer tal afirmação. O vendedor recebeu a ordem de comparecer novamente após sete dias.
A vareta central do leque partiu-se no terceiro dia e o leque desintegrou-se totalmente antes de completar uma semana.
O rei estava certo de que o vendedor nunca mais voltaria mas, para sua surpresa, o homem compareceu como lhe havia sido ordenado, no prazo certo, no sétimo dia.
"Às suas ordens, Majestade."
O rei ficou furioso: "Seu patife! Seu idiota! Olhe. Aqui está seu leque, partido em pedaços. Veja em que condições está em uma semana, e você me garantiu que duraria cem anos! Você é louco ou apenas um grande trapaceiro?"
O homem replicou humildemente: "Com o devido respeito, parece-me que Vossa Majestade não sabe usar leques. O leque deveria durar cem anos; ele tem esta garantia. Como é que o senhor se abana?"
O rei disse: " Oh, meu deus! Agora terei de aprender como me abanar também?"
"Por favor, não fique com raiva. Como o leque chegou a este estado em apenas sete dias? Como o senhor se abana?"
O rei ergueu o leque, mostrando a maneira normal da pessoas se abanarem.
O homem disse: "Agora compreendo. O senhor não deve se abanar assim".
"E que outra maneira existe?", perguntou o rei.
O homem explicou: "Segure o leque imóvel. Conserve-o imóvel à sua frente e mova sua cabeça para lá e para cá. O leque durará cem anos. O senhor morrerá, mas o leque permanecerá intacto. Não há nada de errado com o leque; o modo de se abanar é que está errado. Conserve-o fixo e mova sua cabeça. Em que meu leque falhou? A falha é sua, não do leque".

O gênero humano é acusado de falha semelhante. Olhe para a humanidade. O homem está doente, cheio de doenças acumuladas em cinco, seis, dez mil anos. Repetidamente tem-se dito que o homem é que está errado, não a cultura. O homem está se degenerando e a cultura continua sendo louvada. Nossa grande cultura! Nossa grande religião! Tudo é ótimo! E veja os frutos disso! Dizem: "O homem está errado; o homem deve se transformar"; entretanto, ninguém pergunta se as coisas não são como são porque nossa cultura e nossa religião, incapazes de preencher com amor o homem, após dez mil anos, estão baseadas em falsos valores. Se o amor não se expandiu nos últimos dez mil anos, isto nos leva a crer que não existe nenhuma possibilidade futura de ver um homem sequer amoroso nessa cultura e nesta religião. O que não pôde ser alcançado nos últimos dez mil anos não poderá ser conseguido nos próximos dez mil. O homem de hoje será o mesmo de amanhã. Embora o invólucro, a etiqueta, a civilização e a tecnologia mudem de tempos em tempos, o homem será sempre o mesmo.
Nós não estamos preparados para revisar nossa cultura e nossa religião, mas vivemos elogiando-as com alarde e beijando os pés dos seus santos e guardiões. Não queremos nem mesmo concordar em olhar para trás e refletir sobre os nossos caminhos, sobre a direção do nosso pensamento, para verificarmos se não estão nos desviando, para vermos se não estão errados.
O que eu quero dizer é que a base está defeituosa, que os valores são falsos. A prova é o homem atual. Que outra prova pode haver?
Se plantamos uma semente e o fruto sai envenenado e amargo, o que isso prova? prova que a semente estava envenenada e amarga. Mas é difícil, naturalmente, predizer se uma determinada semente dará frutos amargos ou não. Você pode observá-la cuidadosamente, pressioná-la ou abri-la, mas não pode predizer com segurança se o fruto será doce ou amargo. Terá de esperar o teste do tempo.

Plante uma semente, um broto surgirá. Anos se passarão. Uma árvore surgirá, expandirá seus galhos para o céu e produzirá frutos. Só então será possível saber se a semente plantada era amarga ou não. O homem moderno é o fruto dessas duas sementes da cultura e da religião que foram plantadas há dez mil anos e que têm sido alimentadas desde então. E o fruto é amargo, cheio de conflitos e misérias.
Mas nós somos justamente as pessoas que louvam essas duas sementes e esperam que o amor floresça delas. Isto não acontecerá, eu repito, porque todas as possibilidades de nascimento do amor foram assassinadas pela religião. As possibilidades foram envenenadas. Muito mais do que no homem, o amor pode ser visto nos pássaros, nos animais, nas plantas e naqueles que não têm nenhuma cultura ou religião. O amor é mais evidente no homem não civilizado, nos atrasados homens do campo, do que nos chamados evoluídos, cultos e civilizados. E lembre-se, o povo aborígine não desenvolveu nenhuma civilização, cultura ou religião.
Por que o homem está se tornando progressivamente mais e mais árido de amor, quando ele aparenta ser cada vez mais civilizado, culto e religioso, freqüentando templos e igrejas para rezar? Existem algumas razões e eu gostaria de expô-las. Se elas puderem ser compreendidas, a eterna corrente de amor poderá brotar. Mas ela está bloqueada por pedras e não pode vir à tona. está murada por todos os lados e o Ganges não pode jorrar, não pode fluir livremente.
O amor está dentro do homem. Não é importado do exterior. Não é algo que possa ser adquirido nas lojas. É a fragrância da vida. está no interior de cada um. A busca do amor, o cortejo do amor, não é uma ação positiva, não é um ato exterior de sair para extrair o amor de algum lugar.

Um escultor estava trabalhando em uma rocha. Uma pessoa veio para ver como uma estátua é feita e não viu nenhum sinal de estátua, viu apenas uma pedra sendo talhada aqui e ali, por um cinzel e um martelo.
"O que você está fazendo?", o homem perguntou. "Por que você não está fazendo uma estátua?" Vim para ver uma estátua sendo feita, mas a única coisa que vejo é você talhando uma pedra."
O artista disse: "A estátua já está escondida aí dentro. Não há necessidade de fazê-la. de algum modo, a camada de pedra inútil que está fundida a ela tem de ser retirada para que a estátua se mostre. As estátuas não são feitas, são descobertas. É preciso descobri-las, trazê-las à luz".

O amor está preso dentro do homem; basta libertá-lo. A questão não é produzi-lo, mas descobri-lo. Com o que nós o cobrimos? O que é que impede o amor de vir à superfície?
tente perguntar a um médico o que é saúde. É muito estranho, mas nenhum médico no mundo pode dizer o que é saúde? Com toda a ciência médica preocupada com a saúde, não há ninguém capaz de dizer o que é saúde? Se você perguntar a um médico, ele poderá lhe dizer apenas o que são as doenças ou quais os seus sintomas. Ele poderá saber o termo técnico específico para cada doença e também prescrever a sua cura. Mas e a saúde? Sobre saúde, ele não sabe nada. Pode afirmar apenas que quando não há nenhuma doença, existe saúde. isto porque a saúde está oculta dentro do homem. A saúde está além de qualquer definição humana.

A doença vem do exterior e, portanto, pode ser definida; a saúde vem do interior e, por isto, não pode ser definida. A saúde desafia a definição. Podemos dizer apenas que saúde é a ausência da doença. na verdade, a saúde não precisa ser criada; ou está oculta pela doença, ou se revela quando a doença é curada. A saúde está em nosso interior. É a nossa natureza.

O amor também está em nosso interior. O amor é nossa natureza intrínseca. basicamente, é errado esperar que o homem crie amor.O problema não é criar amor, mas investigar e descobrir por que ele não está sendo capaz de se manifestar. Qual é a barreira? Qual é a dificuldade? Onde está o clique que o bloqueia?

Se não houver nenhuma barreira, o amor mostrar-se-á. Não será necessário persuadi-lo ou guiá-lo. Todo homem seria repleto de amor não fossem as barreiras da falsa cultura e das tradições degradantes e prejudiciais. Nada pode acabar com o amor.O amor é inevitável. O amor é a nossa natureza.

O Ganges flui do Himalaia. Ele é água; simplesmente flui - não pergunta a nenhum padre o caminho para o oceano. Você já viu um rio parado num cruzamento, perguntando a um policial o paradeiro do oceano? Por mais distante que o oceano possa estar, por mais oculto que possa estar, o rio certamente encontrará o caminho. É inevitável: ele tem um impulso interno. Não possui nenhum livro-guia, mas infalivelmente chegará a seu destino. Abrirá fendas através das montanhas, cruzará planícies e atravessará terras em sua corrida para chegar ao oceano. Um desejo insaciável, uma força, uma energia existe dentro do seu coração, bem no centro do seu coração.

Mas, suponhamos que obstruções sejam feitas em seu caminho, pelo homem. Suponhamos que o homem construa diques. O rio pode vencer e romper barreiras naturais - afinal, para ele, elas não são barreiras de modo algum - mas se barreiras forem criadas pelo homem, se diques forem construídos para barrá-lo, é possível que ele não consiga chegar ao oceano. O homem, a suprema inteligência da criação, pode impedir um rio de chegar ao oceano, se assim o decidir.
Há uma harmonia, uma unidade fundamental na natureza. Os obstáculos naturais, as oposições aparentes vistas na natureza são desafios para despertar energia; servem, como sons de clarim, para despertar o que está latente no interior. Não existe nenhuma desarmonia na natureza.
Quando plantamos uma semente, parece que a camada de terra colocada sobre a semente está pressionando-a para baixo, obstruindo seu crescimento. Parece assim, mas na realidade essa camada de terra não é uma obstrução; sem essa camada, a semente não pode germinar. A terra pressiona a semente para baixo de modo que possa amadurecer, desintegrar-se e transformar-se em nova árvore. Exteriormente, é como se o solo a sufocasse, mas a terra está apenas desempenhando a função de um amigo. É uma operação clínica.

Quando uma semente não se torna planta, dizemos que a terra pode não ter sido propícia, que a semente pode não ter recebido água ou luz solar suficientes - nunca colocamos a culpa na semente. Mas se não desabrocham flores na vida de um homem, dizemos que ele é o responsável por isto. Ninguém pensa se o adubo foi pouco, se houve escassez de água ou falta de sol, e faz algo em relação a isso; o próprio homem é acusado de ser mau. Assim, a planta-homem tem permanecido subdesenvolvida, oprimida pela hostilidade e incapaz de alcançar o estágio de florescimento.

Natureza é harmonia rítmica. Mas a artificialidade que o homem tem imposto à natureza, as coisas que ele tem construído sobre ela e as invenções mecânicas que tem lançado na corrente da vida criaram obstáculos em muitos lugares, paralisaram o fluxo. E o rio foi transformado em réu. As pessoas dizem: "O homem é mau; a semente é venenosa".

Gostaria de chamar sua atenção para o fato de que as obstruções básicas são feitas pelo homem, são criadas pelo próprio homem - do contrário, o rio do amor poderia fluir livremente e alcançar o oceano de Deus. O amor é inerente ao homem. se as obstruções forem removidas conscientemente, o amor poderá fluir, poderá elevar-se até tocar Deus, até tocar o Supremo.
Quais são esses obstáculos criados pelo homem? Em primeiro lugar, a obstrução mais óbvia tem sido a oposição ao sexo, a censura da paixão. esta barreira tem destruído a possibilidade do nascimento do amor no homem.

A verdade simples é que o sexo é o ponto inicial do amor. O sexo é o começo da jornada para o amor. A origem, o Gangotri do Ganges do amor é o sexo, a paixão - e todo mundo comporta-se como seu inimigo. Qualquer cultura, religião, guru ou vidente tem atacado este gangotri, essa fonte, e o rio permanece refreado. O clamor público tem sido sempre este: "Sexo é pecado. Sexo é anti-religioso. sexo é veneno", e nunca compreendemos que, no final, é a própria energia sexual que viaja e alcança o oceano interno do amor. O amor é a transformação da energia sexual. O florescimento do amor vem da semente do sexo.

Olhando para o carvão, nunca lhe ocorreria que ele se transforma no diamante. Os elementos contidos num pedaço de carvão são os mesmos encontrados no diamante. Essencialmente, não há nenhuma diferença básica entre eles. Após passar por um processo que leva milhares de anos, o carvão torna-se diamante.

Mas o carvão não é considerado importante. Ao ser guardado numa casa, o carvão é armazenado onde não possa ser visto pelas visitas, enquanto os diamantes são usados ao redor do pescoço ou no peito para que todos possam vê-lo. O diamante e o carvão são a mesma coisa: são dois pontos da jornada de um mesmo elemento. se você estiver contra o carvão por ele não ter, à primeira vista, nada para oferecer além da fuligem negra,0paralisaram o fluxo. E o rio foi transformado em réu. As pessoas dizem: "O homem é mau; a semente é venenosa".

Gostaria de chamar sua atenção para o fato de que as obstruções básicas são feitas pelo homem, são criadas pelo próprio homem - do contrário, o rio do amor poderia fluir livremente e alcançar o oceano de Deus. O amor é inerente ao homem. se as obstruções forem removidas conscientemente, o amor poderá fluir, poderá elevar-se até tocar Deus, até tocar o Supremo.
Quais são esses obstáculos criados pelo homem? Em primeiro lugar, a obstrução mais óbvia tem sido a oposição ao sexo, a censura da paixão. esta barreira tem destruído a possibilidade do nascimento do amor no homem.

Por causa desses conceitos básicos errôneos, ninguém sente a necessidade de passar pelos estágios de reconhecimento e desenvolvimentos sexuais e pelos seus processos de transformação. Como podemos transformar aquele de quem somos inimigos? Uma batalha entre o homem e sua energia tem sido continuamente forçada. O homem tem sido ensinado a lutar contra a sua energia sexual, a se opor contra sua necessidade sexual.

Osho

 

« Voltar para o Centro Metamorfose