- Tantra é Filosofia? - Centro Metamorfose

Tantra é Filosofia?

Por Deva Nishok

O caminho de auto-realização do Tantra é sensorial e prático. Seu desenvolvimento acontece através da propriocepção, isto é, pela percepção de si mesmo, de seu corpo, mente, emoções e espírito, de sua energia, através do reconhecimento e expansão da sensibilidade e consciência e não pela compreensão das palavras ou pelo entendimento intelectual.

O Tantra nos possibilita um entendimento experiencial, através do qual alcançamos uma compreensão maior, mais abrangente e mais significativa do que o entendimento usual proveniente das palavras e do raciocínio lógico.

O Tantra lida com o hemisfério direito do cérebro, com a experiência não-verbal, com aspectos sensoriais que interferem diretamente na esfera do comportamento humano. A linguagem do Tantra é, portanto, experimental, vivencial e integrativa.

Não há textos oficiais sobre o Tantra. Tudo o que existe escrito é oficioso, uma mente tentando explicar a sua visão, o seu entendimento… Algumas pessoas são bem intencionadas sobre isso, são sinceras, mas essas tentativas sempre resultam em dificuldades.

Um erro comum é acreditar que porque algo aconteceu comigo de uma determinada maneira, irá ocorrer também com outros. A via de desenvolvimento no Tantra é individual, cada um vai percorrer o seu próprio campo de experiências. Compartilhar a sua vivência será uma tarefa muito difícil e muitas vezes impossível. Não dá para expressar as coisas que acontecem no seu universo direito cerebral. Trata-se de um universo inefável.

As experiências com o Tantra deram origem a inúmeras filosofias. O resultado é que as pessoas foram para a cabeça e deixaram de lado a experiência. Criam-se práticas austeras com base no intelecto, no "entendimento" da mente. O mundo está cheio de "grandes filosofias", "grandes filósofos", mas quem consegue se ajustar? Quem consegue seguir os conselhos e as experiências dos outros?

No Tantra, você será convidado a se desvencilhar de suas crenças, de suas filosofias. Fique aberto, seja livre para se expandir e não traga o seu conhecimento, de forma que a sua expansão se limite apenas à sua experiência.

O que você vai viver no Tantra é algo seu algo que pertence apenas a você e nada mais. Fique com isso, pois, em geral, temos vontade de compartilhar essas “verdades” com outras pessoas, na esperança de que elas também possam senti-las, vivê-las, da forma como as vivemos...

Cada um irá alcançar aquilo que o seu destemor lhe permitir. A sua coragem de ir fundo dentro de si mesmo é que irá conduzi-lo... Vá, olhe, veja e sinta por si mesmo, seja a testemunha... E resista à irresistível vontade de transformar a sua experiência em uma nova filosofia…