Impotência Sexual Masculina

Como a Terapêutica Tântrica pode ajudar?

impotência sexual

A impotência sexual masculina também é definida como “disfunção erétil”. É um problema comum que atinge muitos homens ao menos uma vez, durante a vida. Segundo os estudos mais atuais, a doença afeta de 7% a 8% dos homens com idades de 20 a 39 anos e cerca de 55% a 60% de homens com idade acima dos 70 anos.

Estima-se que, no Brasil, cerca de 10 milhões de homens sofram da forma crônica da doença e que cerca de 20 milhões de homens enfrentem a forma menos severa. Embora no passado a impotência sexual estivesse relacionada exclusivamente com causas físicas, hoje sabemos que 70% dos casos estão associados a causas orgânicas, como a diabetes, problemas vasculares ou efeitos secundários de drogas e remédios.

A  impotência também pode se traduzir como disfunção sexual ocasional por causas de origem psicológicas, emocionais ou traumáticas. Medo, raiva, frustração e ânsia pelo desempenho são as razões mais frequentes. A disfunção erétil pode afetar gravemente a auto-estima, piorando a dificuldade quando o problema físico se mistura com questões psicológicas. Ela pode começar abruptamente, geralmente após um grande trauma psicológico, ou pode se instalar gradualmente como resultado da depressão, ansiedade e estresse crônico. Além disso, em muitos distúrbios mentais, a libido sexual e a potência também são afetadas.

Existe uma situação muito comum, que atinge no mínimo uma vez todos os homens adultos, particularmente, aqueles envolvidos em relações sexuais casuais, a  chamada  "ansiedade de performance" ou medo de falhar. Muitas sociedades esperam do homem um papel sexual agressivo e consideram que a falha no desempenho sexual é vergonhosa.

Falhas ocasionais  também ocorrem  em muitas outras situações. Elas podem ser, por exemplo, uma simples falta de diálogo com o parceiro sexual, um atrito conjugal (por ex., após uma briga), a presença de elementos perturbadores no ambiente, tais como barulho ou luz, uma diminuição temporária na libido sexual, devido à fadiga ou preocupações, ou medo de ser pego em relações ilícitas.

Uma questão importante feita pelos médicos para determinar a causa da impotência é se o paciente frequentemente acorda com ereção. Ereções "matutinas" são psicológicas e estão relacionadas aos mecanismos de suprimentos do sangue durante o sono e não à excitação sexual. A presença destas ereções geralmente significa que a principal causa pode não ser orgânica.

Fatores psicológicos também estão presentes quando a causa da impotência é puramente orgânica. A incapacidade de alcançar ereção nestes casos aumenta a ansiedade e o medo de não conseguir ter a ereção.

Existem muitas causas físicas para a impotência temporária ou crônica, as quais podem se estender desde as mais curáveis ou até as causas mais severas, que não podem ser curadas sem medidas invasivas ou radicais, tais como a cirurgia.

As seguintes causas são bem conhecidas e estudadas:

  1. Problemas com o suprimento de sangue do pênis;
  2. Efeitos colaterais de drogas e medicamentos;
  3. Distúrbios do sistema nervoso;
  4. Distúrbios hormonais;
  5. Danos estruturais do pênis;
  6. Outras doenças, complexas e multissistêmicas;

Doença  vascular periférica

Esta é a causa mais comum da disfunção erétil, porque está correlacionada com muitas doenças sistêmicas que afetam os vasos sanguíneos da região genital, direta ou indiretamente. Doenças crônicas, tais como diabetes mellitus, colesterol alto e outras, levam à destruição das paredes contráteis das veias, ou provocam endurecimento, estreitamento ou bloqueio das artérias que chegam ao pênis. A ereção do pênis acontece quando o sangue, carregado pelas artérias do pênis, entumesce os corpos eréteis feitos de tecido esponjoso. Qualquer falha neste mecanismo de preenchimento, tal como o estreitamento das artérias e placas ateroscleróticas, pode conduzir a uma insuficiência erétil. A ereção é mantida por um aprisionamento fisiológico do fluxo de sangue acumulado no pênis, via vasos sanguíneos. Qualquer falha neste mecanismo (relaxamento do sistema vascular do pênis) resulta em ereções menos rígidas ou incapacidade em mantê-las pelo tempo suficiente para completar o coito.

Insuficiência vascular talvez seja a causa que mais se correlaciona com a idade. Geralmente, a impotência causada por fatores vasculares parece aumentar lentamente ao longo dos meses ou anos, causando uma diminuição na firmeza das ereções, para finalmente tornar-se o fator preponderante.

A abordagem diagnóstica para a doença vascular é investigá-la com ultrassom, através de um método chamado cavernossonograma Doppler, o qual é capaz de mostrar a imagem colorida do fluxo sanguíneo no pênis.

Medicações e drogas

Mais de 200 medicamentos do receituário médico são conhecidos por afetar a função erétil no homem. De fato, existem tantos, e para tantas condições, que esta deve ser uma das principais causas  da impotência orgânica. Algumas destas drogas promovem impotência por atuar no Sistema Nervoso Central. Outras afetam a intensidade do suprimento sanguíneo do pênis ou promovem ralaxamento dos vasos sanguíneos. Entre elas, encontram-se:

  1. Medicamentos usados para tratar hipertensão arterial (pressão alta), tais como espironolactona e diuréticos à base de tiazida, bem como beta-bloqueadores;
  2. Medicamentos usados para tratar depressão (antidepressivos) e ansiedade (ansiolíticos), tal como fenotiazina;
  3. Medicamentos usados para tratar distúrbios neurológicos, tais como doença de Parkinson e outras;
  4. Medicamentos usados para tratar problemas gastrointestinais, tal como a cimetidina;
  5. Medicamentos usados para tratar alergias.

Além disso, o abuso de substâncias como álcool, tabaco, cocaína e outras drogas também é a causa importante de impotência nos dias de hoje. É irônico que estas substâncias de abuso sejam consideradas afrodisíacas por seus usuários, quando tomadas em pequenas quantidades, mas produzem dependência quando usadas sistematicamente. Um cálice de vinho, durante um encontro romântico, pode "soltar" inibições e diminuir a ansiedade de performance ou outros fatores psicológicos inibidores. Um ansiolítico leve pode causar o mesmo efeito. Alguns fumantes ficam mais calmos ao desfrutar lentamente um cigarro, cachimbo ou um charuto. Para algumas pessoas, a poderosa sensação de bem-estar que acompanha a ingestão de cocaína, metanfetaminas e outras drogas, pode atuar como excitante sexual. Entretanto, o abuso crônico e altas doses dessas substâncias têm o efeito oposto.

Mais de 80% dos alcoólatras sofrem de impotência sexual crônica. Estudos científicos têm mostrado que fumantes crônicos têm danos importantes no seu sistema de suprimento sanguíneo genital.

Dano neurológico

Doenças nervosas ou danos aos nervos que controlam o processo de ereção também estão entre as causas mais comuns de impotência.

O grande aumento na incidência de hiperplasias e de câncer da próstata nas últimas décadas é um dos maiores responsáveis. A cirurgia da próstata danifica os nervos em mais de 80% dos casos. Parte destes pacientes recupera a função sexual, completa ou parcialmente, após um ano ou mais, mas a maioria permanece impotente por toda a vida. A terapia por radiação do câncer de próstata, ainda que menos traumática, também tem um efeito sobre a potência sexual. Outras cirurgias pélvicas podem ter um efeito deletério sobre a ereção.

Outra causa da impotência é o trauma na virilha. Esta é mais comum do que imaginamos, particularmente em alguns esportes. Recentemente, um grupo de pesquisadores desvendou que andar de bicicleta pode ser a maior causa da impotência, porque fortes golpes do períneo (o triângulo entre o ânus e a base do escroto) contra a barra frontal da bicicleta são muito danosos. Ainda precisa ser comprovado se o trauma constante, de baixa intensidade causado pela fricção do períneo contra o assento, poderia também ser responsável pela disfunção erétil.

Algumas doenças nervosas afetam fortemente a capacidade de alcançar a ereção, porque elas atuam sobre estruturas cerebrais que são responsáveis pelo controle central do impulso sexual e sua performance. Elas são: doença de Parkinson e outras doenças do sistema motor, derrame, esclerose múltipla, alguns tumores do cérebro e da glândula hipófise, e epilepsia. Afetações na medula espinhal ou nos nervos que vêm ou vão à área genital, tais como a compressão dos discos vertebrais ou afetações traumáticas como paraplegia e tetraplegia, ou em paralisia regional, podem afetar o desempenho sexual, causando impotência parcial ou total.

Danos estruturais do pênis

Existem doenças menos comuns (por exemplo, a fibrose do tecido do pênis) causadas por doenças orgânicas, a  doença de Peyronie (ela causa a um encurvamento anormal do pênis) e os cistos e tumores.

Distúrbios hormonais

Aproximadamente 5 a 10 % da população masculina sofre de algum tipo de distúrbio hormonal. O mais comum,  também relacionado  com a idade, é a constante diminuição nos níveis de testosterona, o principal hormônio sexual do homem. Ela tem provavelmente alguma coisa a ver com a diminuição na capacidade das células testiculares em sintetizar o hormônio. Este fenômeno levou alguns especialistas a afirmar que existe um tipo de "menopausa" para o homem, não tão drástica como para a mulher, denominada  andropausa. Ainda que isto seja controverso, o fato é que muitos precursores metabólicos da testosterona (substâncias usadas pelo corpo no processo de síntese) tais como DHEA (dehidroxiepiandrosterona), diminuem significativamente com a idade.

A diminuição de testosterona tem sido associada com a diminuição na libido sexual e performance, porque os circuitos cerebrais e os tecidos do pênis são dependentes destes níveis de hormônios. Entretanto, uma porcentagem significativa de homens com baixos níveis de testosterona permanece com performance sexual inalterada. Quando baixos níveis de testosterona afetam as características sexuais primárias e secundárias (por exemplo, quando o crescimento da barba é consideravelmente lento, ou existe perda de pêlos no peito ou na pelve, ou mesmo a atrofia dos testículos e pênis, e um aumento na região das mamas chamado ginecomastia), diz-se que ocorre uma condição chamada hipogonadismo (de gônadas, ou glândula sexual). Existem dois tipos de hipogonadismo:

  1. Hipogonadismo primário, causado por uma doença nas células produtoras de testosterona;
  2. Hipogonadismo secundário, causado por uma doença ou disfunção nos sistemas que controlam a produção de testosterona, como a hipófise. A forma mais comum de hipogonadismo secundário é chamado de Hipogonadismo Hipogonadotrófico, porque existe uma diminuição demonstrável nos níveis de FSH (Hormônio Folículo Estimulante), ou hormônio gonadotrófico, que é produzido pela glândula hipófise. O Hipogonadismo Primário, em contraste, tem níveis normais ou até aumentados de FSH.

Outra condição que pode frequentemente levar à impotência sexual é chamada de hiperprolactinemia, que é um aumento anormal de outro hormônio produzido pela hipófise, denominado prolactina. Nas mulheres, a prolactina é responsável por estimular as glândulas mamárias para produzir leite. Os homens normalmente têm níveis baixos de prolactina, mas em algumas doenças eles podem estar aumentados, tais como em um tipo de tumor benigno chamado prolactinoma.

Nos exames diagnósticos feitos para diagnosticar as causas da impotência sexual, o médico normalmente pede testes de laboratório destinados a medir o nível de testosterona, FSH e prolactina. Simultaneamente, níveis baixos de testosterona e FSH significam um diagnóstico de Hipogonadismo Hipogonadotrófico. Hiperprolactinemia está também muitas vezes associada a esta condição.

Nos trabalhos desenvolvidos no Centro Metamorfose, os terapeutas pesquisam o potencial do corpo em readaptar-se aos estímulos que provocam uma releitura no potencial de prazer do corpo. Nossas pesquisas demonstram que o corpo humano reage aos estímulos de prazer buscando recursos adaptadores, já que a principal memória relacionada ao orgasmo está ligada a um dos aspectos mais importantes do ser humano: a capacidade de reproduzir-se e eternizar-se.

Com base no instinto humano e na habilidade de adaptação da espécie, percebemos que o corpo humano reorganiza as sinapses sensoriais que levam as informações ao cérebro, reativando as condições propícias ao orgasmo e ao prazer.

Existem inúmeras outras possibilidades de orgasmo, como o orgasmo seco, que pode beneficiar os homens que sofreram a remoção radical da próstata através de cirurgia.

Cada homem necessita passar por um conjunto de situações terapêuticas que irão reproduzir os estímulos necessários para vivenciar novas experiências de orgasmo e de prazer. Recomendamos àqueles que estejam apresentando esta condição de Impotência e queiram experimentar nossos processos terapêuticos, que entrem em contato com os terapeutas credenciados, para que recebam a orientação adequada de como começar.